Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Funcionário exemplar!!!

por Moralez, em 20.07.18

O manda-chuva chama um dos seus funcionários e diz:

- Eu quero lhe dizer que você tem demonstrado grande capacidade e competência no desempenho de suas funções. Entrou aqui como escriturário, nem faz um ano...

O funcionário acenava afirmativamente com a cabeça, enquanto o chefe continuava:

- E tudo isso, apesar de sua pouca idade, pois nem sequer completou 18 anos e teve uma rápida ascensão. Apenas dois meses depois de chegar, você já foi promovido a supervisor!

Meio encabulado, o funcionário sorria de sua história de sucesso, mas o patrão não parava:

- Mais três meses e foi designado chefe de sua secção. Não demorou nem três meses e recebeu logo outra promoção: foi designado chefe do departamento. E hoje, depois de apenas dois meses, já é um de nossos diretores. O mais influente deles!

O pessoal do escritório já estava a sentir farto, quando o todo poderoso mandou o golpe final:

- Como eu gosto de saber a opinião de nossos colaboradores, eu lhe pergunto: você está satisfeito connosco, com suas atividades, com suas promoções por merecimento e com o seu salário?

- ESTOU SIM, PAI!

 

So long fellows!

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


O desenho da vida

por Moralez, em 14.10.16

Estou confortavelmente instalado na minha vida, sei de onde vim, o que faço e para onde vou, na minha mente existe um plano mais ou menos predefinido e com mais curva, menos curva, um desvio aqui, outro desvio ali, mantenho o caminho e sigo o rumo que escolhi.

 

O plano não é elaborado, nem rebuscado, a felicidade advém da simplicidade, e há muito que aprendi que as coisas com mais significado são as que aparentam ser banais.

Na minha cabeça há muito que o plano deixou de ser um esboço para ser um desenho definitivo, abandonei os lápis, preferi a tinta permanente e os rabiscos ganharam contornos definitivos.

 

Os desenhos que traço são depurados de ilusões, são verdadeiros, calculados e realistas, tal como eu, espelham os meus sonhos filtrados pela minha realidade. Acredito que quanto mais simples são as nossas aspirações, mais facilmente as concretizamos.

 

Mas nem só a minha tinta escreve a minha vida, há pinturas externas que interferem com o meu desenho, algumas tintas tornam a minha pintura mais colorida, mais rica, mais bonita, outras tintas são borrões que sujam, mancham e tingem a tela.

 

Há uns meses deparei-me com um borrão imprevisto, um dos frascos que alimentava o meu desenho, entornou-se e derramou uma tinta escura e viscosa no meu desenho, o meu desenho transformou-se, perdeu a nitidez, as cores alegres e a definição dos contornos.

 

Subitamente a mancha que começou pequena estava a espalhar-se por toda a parte e a devorar todo o meu desenho, a consumir as cores, os traços, as linhas, tentei limpar, desenhar de novo, mas as linhas desvaneciam-se, os borrões aumentavam.

 

Questionei o meu plano, as linhas que desenhei, as cores que escolhi, revi vezes sem conta as minhas escolhas, as escolhas que fizeram este borrão não foram minhas, mas o borrão estava ali e tinha de lidar com ele.

 

Sei que a vida é imprevisível, é muito mais imprevisível do que a maioria das pessoas sabe, tive de aprender a lidar com isso ainda novo, quando na vida faltou uma cor, uma cor primária, essencial que nunca poderá ser substituída.

 

Aprendi a pintar sem ela, o meu desenho é um pouco mais pobre, nunca está totalmente colorido, mas lentamente voltou a ter as cores da felicidade. São borrões da vida e temos que aprender a pintar por cima deles.

 

Este foi um borrão diferente, levou-me a questionar as minhas cores, pois não conseguia encontrar sentido, propósito, motivo, abruptamente estava tudo mesclado, uma enorme névoa caiu sobre a tela e eu simplesmente não conseguia ter clareza para definir os contornos.

 

Sorte, justiça, acaso, arrependimento, milagre, o frasco ergueu-se e absorveu a tinta derramada numa mudança tão brusca que parece inacreditável, o desenho que julgava perdido reapareceu, o meu plano, o meu rumo está novamente visível.

 

Perfilo todos os pincéis perfeitamente alinhados diante de mim, a palete de cores impecavelmente organizada, vislumbro os lápis, escolho um e desenho com a mão firme e traço certeiro a primeira linha, o primeiro esboço do desenho que alicerço na mente e trasponho na tela, há espaço para criar e eu sinto-me novamente confiante, inspirado e feliz.

 

A vida é um conjunto de cores que mudam de tonalidade e forma, quando menos esperava a minha pintou-se com as cores vivas da Primavera mesmo que lá fora as cores sejam de Outono.

 

Apenas tenho de fazer as cores fluírem e colorirem o meu desenho com pinceladas precisas e harmoniosas.

 

Obrigado a todos que nos dias mais cinzentos gentilmente me cederam pinceladas das suas cores para colorirem o meu desenho.

 

So long fellows!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Vestir a camisola

por Moralez, em 15.04.16

Quando entramos num emprego novo estamos cheios de expetativas, queremos agarrar o nosso lugar, temos ansiedade em trabalhar, em ajudar a empresa a crescer, agarramos os novos projetos com força e vontade, afinal nada como uma nova oportunidade para nos sentirmos motivados.

Se a empresa for nova e fizermos parte dela desde o início esse sentimento duplica, encaramos a empresa desde o primeiro instante como sendo um bocadinho nossa, vestimos e suamos a camisola com orgulho.

Nada melhor do que sentir que o nosso esforço é apreciado e recompensado, a empresa cresce e nós crescemos com ela e cresce o nosso orgulho por ela.

Até que um dia a empresa cresce tanto que passas a ser mais um funcionário, e não interessa que tenhas ensinado e ajudado todos os colaboradores do teu departamento, não interessa que tenhas dado sempre mais do que aquilo que te foi pedido, esquecem-se as horas extras, o trabalho feito em casa, as chamadas a horas impróprias e todos os sacrifícios que fizeste.

Passam a ser muitos e tu és mais um. Mas continuas a fazer o teu trabalho como sempre fizeste, consciente que deverias ter-te mantido fiel ao que já sabias, que por mais que dês nunca é suficiente.

E um dia sem saberes explicar como um desses graxas, essa espécie que deveria ser extinta, aparece na tua empresa e começa a fazer ninho, ao princípio ninguém dá por ele, quando se percebe as suas verdadeiras intenções já todo o terreno está minado.

E do nada, há mau ambiente, há receios, ninguém está seguro num terreno minado.

E descobres que todo o trabalho que fizeste para a empresa não conta para nada, afinal os funcionários parecem descartáveis, sucedem-se uns atrás dos outros.

E lá se vai a paz de espírito, o bom ambiente e o empenho no projeto.

E mais uma vez percebes que não adianta vestir a camisola, não adianta suar pelo amor à camisola, porque os patrões nunca estão satisfeitos e se lhes dás um dedo eles irão querer o braço, e depois o outro braço, as pernas, o tronco e no final a cabeça.

E mesmo que não percebas isso a tempo e lhes chegues a dar a cabeça, não adiantará de nada porque bastará uma crise, cortes financeiros, uma intriga, um desentendimento e a tua cabeça rolará como a dos outros, só que a tua demorará mais tempo a levantar-se, tal será a desilusão, o desencanto e a indignação que sentirás.

Vestir e usar a camisola é para os profissionais de desporto.

Os outros o melhor que têm a fazer é sair a horas, desligar a ficha e suar a camisola em atividades lúdicas...

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Segue-me


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Follow


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Estatísticas