Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


As redes sociais de antigamente

por Moralez, em 21.03.17

Eu conheci muita gente numa rede social chamada autocarro (não, os autocarros não tinham internet nessa altura).

 

Onde os utilizadores regulares se conheciam efetivamente na utilização diária, onde se dizia bom dia e boa tarde a quase toda a gente, onde se olhava nos olhos das pessoas para dize-lo, onde se trocavam ideias e experiências que enriqueciam a nossa mente, conversávamos sobre tudo e havia uma entreajuda dos utilizadores habituais, contávamos peripécias da vida uns dos outros, serviam como vivências para evitar que os amigos desta rede social caíssem nos mesmo erros que nós ou aprendessem que alguns caminhos compensavam mais que outros, era uma rede social à séria, a rede social foi tão importante para mim que um dia entrei naquela rede social aka autocarro e a minha vida mudou!

 

Isto para dizer que redes sociais sempre existiram, há uns anos atrás um autocarro, um café de frequência habitual, era uma rede social, por isso, o que vivemos atualmente... Não deixa de ser a evolução natural das coisas!

 

Tu até podes conhecer uma pessoa no Facebook, no Tinder ou outra rede social qualquer, mas seja qual for a rede social o que conta é a pessoa que conheces e as suas verdadeiras intenções… Sejam felizes!

 

 

So long fellows!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Casais felizes e redes sociais

por Moralez, em 20.02.17

Casais felizes e as redes sociais a respeito do post da minha Psicogata.

 

Vivemos num tempo estranho, uma época onde uma atualização numa rede social significa mais do que acontece na vida real. As pessoas têm prazer a avaliar a vida dos amigos e conhecidos, a medir likes e comentários, a analisar publicações e fotos.

giphy-1475033777.gif

Mas será que a felicidade dos casais nas redes sociais reflete a sua felicidade na vida real?

Alguns estudos recentes demonstram o contrário.

Casais felizes não têm necessidade de partilhar a sua vida nas redes sociais e a explicação é lógica.

Quando as pessoas estão felizes numa relação, vivem o aqui e o agora. Se na vida real, tudo está bem, não faz grande sentido perder tempo a escrever publicações nas redes sociais para demonstrar o quanto se está feliz em determinado momento.

Um casal que torna públicos todos os seus desentendimentos e diferenças, só prejudica a relação, expor os seus problemas nas redes sociais é a pior maneira de tentar resolvê-los, essa abordagem acaba muitas vezes por agravar o conflito porque atrai e prolonga a atenção para o mesmo.

A necessidade de publicar constantemente declarações de amor demonstra insegurança ou procura de aprovação, se a relação está bem, os dois sabem disso não é preciso repetirem-no até à exaustão, se os dois escolheram estar juntos não necessitam da aprovação dos demais.

Usar a relação para atacar ou ferir alguém para além de não ser correto, demostra que existe ainda alguma coisa por resolver.

Não há necessidade de provar nada a ninguém. Não há necessidade de se usarem mutuamente para expor o quão felizes e apaixonadas estão, formam um casal porque querem, não porque é socialmente aceitável e expetável estar num relacionamento.

Estudos recentes dizem que as pessoas que não usam as redes socais, são na generalidade, mais felizes porque não se comparam constantemente com os seus amigos.

Numa altura em que é mais importante parecer do que ser, a sede de aparentar ser feliz impede-nos de viver a felicidade. É frequente que nos momentos mais felizes, mais descontraídos ninguém pare para atualizar uma rede social.

É claro que cada um vive a relação como bem entende, pessoas que sempre publicaram fotos sozinhas é natural que publiquem fotos acompanhadas, mas quando a exposição é constante e forçada, algo está mal na relação seja do casal, seja do casal com o mundo.

casais-felizes-nao-exibem-o-relacionamento-nas-redes-sociais1.jpg

 

So long lovers!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Segue-me


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Follow


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Estatísticas